Raso da Catarina
Raso da Catarina

Raso da Catarina: Descubra a Beleza do Sertão Baiano

O Raso da Catarina, localizado na parte centro-leste do bioma caatinga, no estado da Bahia, é uma joia natural que merece ser descoberta pelos amantes da natureza e da história. Com uma área de trinta e oito mil quilômetros quadrados, esta ecorregião é marcada por uma paisagem singular, composta por solos arenosos, relevo plano e uma vegetação característica de caatinga arbustiva.

Descobrindo a Reserva Ecológica do Raso da Catarina

Cânions do Raso da Catarina. Foto: https://www.atendimentoturistico.com

No coração do Raso da Catarina, encontra-se a Reserva Ecológica, uma área de 105.282 hectares administrada pelo IBAMA. Localizada entre os rios São Francisco e Vaza-Barris, região centro-oeste da Bahia, entre os municípios de Canudos, Macururé, Jeremoabo, Euclides da Cunha e Paulo Afonso. Esta reserva é uma verdadeira pérola na região mais seca da Bahia, com uma pluviosidade que varia entre 300 e 600 mm por ano. Além de sua beleza natural, a região possui uma rica história, sendo palco da Guerra de Canudos e esconderijo dos cangaceiros, devido à sua difícil acessibilidade.

A Fauna e Flora Exuberantes

A vegetação predominante é a caatinga arbustiva, caracterizada pela presença de mandacarus, xiquexiques e diversas bromélias. A fauna é diversificada, abrigando desde mamíferos como o veado-mateiro e a suçuarana até aves ameaçadas de extinção, como a arara-azul-de-lear, considerada a espécie mais ameaçada do mundo, e a avoante. A região é habitada por 12 famílias da tribo Pankararés, proporcionando à experiência cultura ainda mais especial.

Os Paredões e a Comunidade Pankararé

Ao passar pela comunidade indígena Pankararé, é solicitada uma taxa simbólica de R$ 25 por pessoa, contribuindo diretamente para a preservação do local. A partir daqui, os imponentes paredões dos quênios começam a se revelar, criando uma paisagem única e fascinante.

Aventura na Baixa do Chico

Para os aventureiros que desejam explorar a Baixa do Chico, é preciso percorrer 60 km de estrada de terra, passando por pitorescos povoados. A região é o terreno predileto do lendário cangaceiro Lampião, e as histórias de tempos passados ainda ecoam entre as formações rochosas.

Cinco Dicas Essenciais para sua Viagem

  1. Enfrente o Calor: Com temperaturas que atingem os 40°C, esteja preparado para o calor intenso. Evite cores chamativas e hidrate-se constantemente.
  2. Proteja sua Pele: Além do protetor solar, use roupas apropriadas para exposição solar e evite cores chamativas ao avistar aves.
  3. Amanhecer Mágico: A revoada das aves ocorre ao amanhecer. Prepare-se para acordar cedo e testemunhar esse espetáculo.
  4. Veículo Adequado: Desloque-se em carros 4×4, pois as estradas podem ser desafiadoras.
  5. Acomodações Simples: Não espere resorts luxuosos; as acomodações são simples, mas autênticas.

Canudos: O Destino dos Amantes de Aves

A cidade de Canudos, conhecida por sua história marcante, é também um paraíso para observadores de aves. A Fundação Biodiversitas mantém uma área de 1.500 hectares próxima a Canudos, onde é possível vivenciar a Toca Velha, um dos principais dormitórios da arara-azul-de-lear. A visita deve ser agendada, e há opções de hospedagem na cidade ou na área da fundação.

O Grand Canyon Brasileiro

Toca Velha das Araras-de-lear
Toca Velha das Araras-de-lear. Foto: Marcelo Brandt.

Com seus cânions profundos, solo avermelhado e formações rochosas impressionantes, o Raso da Catarina pode ser comparado ao Grand Canyon brasileiro. A região, apesar da aridez, preserva a biodiversidade, com mais de 180 espécies ameaçadas de extinção.

A Revoada das Araras-de-Lear

Revoada da Arara-Azul-de-Lear.
Revoada das Araras-de-Lear. Foto: Ciro Albano.

A experiência culmina na revoada das araras-de-lear no cânion seco da Baixa do Chico. Acompanhados por guias locais, os visitantes testemunham a majestosa visão das aves sobrevoando os paredões alaranjados. As trilhas revelam a beleza natural, proporcionando um contato único com a exuberância do Raso da Catarina.

Preservação e Desafios Ambientais

Raso do Catarina: Arara-Azul-de-Lear
Arara-Azul-de-Lear. Foto: Joao Quental – Flickr.

A preservação das espécies na região é crucial, especialmente para as araras-azuis-de-lear. O “Desafio Natureza” destaca as ações de preservação e as ameaças enfrentadas por essas aves e outras espécies do bioma caatinga.

Planejando Sua Viagem:

  • Acesso: As cidades de Paulo Afonso, Petrolina e Salvador oferecem opções de transporte. Os aeroportos mais próximos são os de Petrolina e Paulo Afonso.
  • Acomodações: Embora não haja resorts luxuosos, as acomodações simples proporcionam uma experiência autêntica e intimista

Conclusão

Raso da Catarina, Cânions.
Raso da Catarina. Foto:CesarCoelho667

Em resumo, o Raso da Catarina é mais do que um destino turístico; é uma jornada para os amantes da natureza, história e aventura. Ao seguir os passos cuidadosamente planejados e respeitar a delicada ecologia dessa paisagem única, os visitantes são recompensados com uma experiência inesquecível, mergulhando nas riquezas do sertão baiano.

COMPARTILHE:

9 respostas

  1. Bom dia. Realmente é uma área importante e necessariamente DEVE ser preservada. Agora o que me chama a atenção é a “cobrança” POR PESSOA de R$ 25,00! Sinceramente e com a devida vênia, é aí que começa a exploração dos possíveis turistas, inclusive e principalmente, os da região. Isso não contribui em nada com essa finalidade “turismo”. Aliás, principal causa do afugentamento das pessoas em geral, um péssimo hábito praticado por comércio e entidades envolvidas. Aí depois reclamam quando não há movimento suficiente, infelizmente.

  2. Estive no Jalapão se cobra pelas visitas, estive e Alagoas em todo o litoral, se cobra. Rio Grande do Norte, se cobra. Estive na Serra da Canastra, se cobra.
    Atenção Sr. José Dantas: se não tem condições, fica em casa.

    1. Este dinheiro vai prá bolsos de vocês que não quere trabalhar, vá procurar um trabalho que melhor!

  3. Muito interessante. Já tinha ouvido falar do Raso da Catarina mas não com tantos detalhes do local.
    Realmente, descobri, a partir desta reportagem, um local na Bahia, dentre tantos maravilhosos, que me despertou a vontade de conhecer. Que possamos preservá-lo!

    1. Olá Ivan! Ficamos felizes que tenha gostado do nosso artigo, este é um dos nossos objetivos, divulgar o turismo de natureza do nosso país e de lugares pouco conhecido 🙂

  4. Eu tenho visitado vários lugares turístico, mas se paga o guia. Onde se paga para entrar na caça esportiva isso vi na Itália e entendo, acho correto. Agora para visitar uma área como está deve_se oferecer o artesanato outros atrativos, mas cobrar R$ 25,00 por pessoa eu também acho muito dinheiro. Com todo respeito a quém defende está cobrança.

  5. Muito Interessante, mas como obter informações de guias, hotéis e número mínimo de dias? Grato pela atenção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Usamos cookies em nosso site para fornecer a experiência mais relevante, lembrando suas preferências e visitas repetidas. Ao clicar em “Aceitar”, concorda com a utilização de TODOS os cookies.