Núcleo Caboclos – PETAR – Ecoturismo

O Núcleo Caboclos foi o primeiro núcleo aberto para a visitação desde que o PETAR tornou-se um Parque Estadual em 1958. A sede do núcleo está localizado no bairro do Espírito Santo, na divisa entre os municípios de Apiaí e Iporanga.

Este é o único núcleo do PETAR que permite a realização de Camping, aqui existem áreas exclusivas como banheiros, lavanderias e ambiente próprio para a preparação de alimentos.

Confira as Principais Atrações Turísticas do Núcleo Caboclos

Trilha do Chapéu

A Trilha do Chapéu – Com uma extensão de 700 metros em plena Mata Atlântica preservada, a trilha possui um caminho meio plano e meio íngreme que leva até a Pedra do Chapéu, um bloco imenso de granito maciço com um formato oval, rodeado de rochas de calcário.

O passeio dura em média uma hora e tem um baixo nível de dificuldade, perfeito para respirar ar puro e exercitar bem o corpo.

Trilha do Maximiano

A Trilha do Maximiano – Esta trilha nos leva às mais belas cachoeiras do PETAR, a Cachoeira de Maximiano e a Cachoeira Sete Reis. Toda a trilha está rodeada pelas belezas naturais da Mata Atlântica, com piscina naturais e suas águas cristalinas.

Pedra do Chapéu

Caverna do Chapéu no Núcleo Caboclos, PETAR.
Caverna do Chapéu. Foto: Antonio Bordignon (Wikipedia)

A Pedra do Chapéu – Uma Incrível formação rochosa quase toda formada em granito e pedras angulares, um verdadeiro monumento esculpido pela natureza.

Cachoeira Maximiano e Sete Reis

Cachoeira Sete Reis no Núcleo Caboclos, PETAR.
Núcleo Caboclos: Cachoeira Sete Reis. Foto: @emersongerioli

A Cachoeira Maximiano e Sete Reis – De acordo com alguns visitantes e moradores da região, estas são as duas mais lindas cachoeiras de todo o PETAR. Com águas límpidas e piscinas naturais convidativas, as cachoeiras são uma parada obrigatória ao visitar o Núcleo Caboclos.

Caverna ou Gruta Temimina

Gruta Temimina no Núcleo Caboclos, PETAR.
Gruta Temimina. Foto: Ricardo Martinelli

A Caverna ou Gruta Temimina – Acredita-se que antigamente era habitada por índios. A gruta é composta de duas cavernas: a Caverna temimina I e a Caverna Temimina II.

Ambas tem este nome “Temimina”, devido a uma mina ativa na região, que segundo moradores, a gruta “Teme a mina”, daí a expressão “Temimina” na linguagem local.